São Paulo passa fácil pelo RB Brasil, vai à semi do Paulista e ameniza crise

Ceni exalta confiança, manda abraço a Muricy e se esquiva sobre Sabella

Milton Cruz descarta virar técnico fixo e elogia Sabella, principal alvo do clube

Falcão visita São Paulo, vê vitória sobre o RB Brasil e tieta Rogério Ceni

sábado, 13 de junho de 2015

Postura de líder!

Animado com o trabalho de Juan Carlos Osorio, capitão Rogério Ceni festeja vitória fora de casa


Com o golaço do volante Souza, o Tricolor venceu a sua primeira partida como visitante no Campeonato Brasileiro e assumiu provisoriamente a liderança. No entanto, mais do que a pintura do camisa 5, a postura da equipe diante da Chapecoense (1 x 0) animou o capitão Rogério Ceni, que viu os seus companheiros deixarem as adversidades e desfalques para trás em busca do resultado positivo.
Para encarar os catarinenses, os paulistas não puderam contar com Alan Kardec (cirurgia no joelho), Denis (cirurgia no ombro), Paulo Miranda (estiramento na coxa esquerda), Paulo Henrique Ganso (dores no músculo adutor da coxa direita), Denilson e Centurión (problemas particulares), além dos jovens Lucão e Boschilia (Seleção Brasileira no Mundial Sub-20, na Nova Zelândia). Já o versátil Rodrigo Caio, negociado com o Valência-ESP, não atua mais pelo clube.
Dessa forma, o time são-paulino começou a partida com Rogério Ceni; Bruno, Rafael Toloi, Dória e Reinaldo; Hudson, Souza, Thiago Mendes, Michel Bastos e Carlinhos; Luis Fabiano. Aberto pela direita, Thiago puxava as jogadas por ali, enquanto Carlinhos caía pela esquerda e Michel Bastos ficava mais centralizado: todos com a missão de municiar Luis Fabiano na grande área.
Na segunda etapa, com as lesões de Reinaldo e Carlinhos, o Tricolor se desdobrou para segurar os anfitriões. "Muito bom, muito aguerrido. A gente tinha treinado a semana inteira com outros três jogadores que sairiam como titulares e perdemos de última hora, junto com o Rodrigo Caio. Acho muito legal dos que entraram se doaram ao máximo, mostra a força de um grupo. Wesley entrou disputando todas as bolas", avaliou o goleiro, que se rendeu ao técnico Juan Carlos Osorio.
9115.jpg

"Isso vai muito da parte motivacional do nosso treinador. Ele é um cara muito especial. Ele tem o carinho de todos, muito fácil de lidar. Cara que cobra muito, que exige que cada um deixe o seu melhor em campo. Pessoa muito equilibrada, diria que para América do Sul, esse cara é um top na lista ao menos do que eu conheço. Cara diferenciado. Cara muito especial. O que caras como Mourinho e Guardiola representam na Europa, ele será top na América do Sul", opinou o arqueiro, que completou.
"Tem participação nessa questão de motivação de todos se sentirem iguais. A cada treino, você vai rodando. Dez minutos com um jogador, dez minutos com outro. Todos vão se sentindo parte da equipe, parte da posição. Muito legal por parte daqueles que entraram e talvez não tivessem a parte tática tão afinada como os demais, mas que ajudaram muito e disputaram todas as bolas e se doaram, porque o trabalho do Osorio motiva isso", finalizou. 


SITE OFICIAL

Souza brinca após golaço: "Um pouco de sorte e competência"

De fora da área, volante marcou o gol que decretou a vitória do Tricolor sobre a Chapecoense: 1 x 0

Aos seis minutos do primeiro tempo, sem deixar a Chapecoense gostar do jogo e pressionar o Tricolor, o volante Souza acertou um lindo chute de fora da área para garantir o triunfo ao São Paulo (1 x 0) neste final de semana. Bem humorado, o camisa 5 brincou com o lance do gol, que deu aos visitantes os três pontos e, consequentemente, a liderança do Campeonato Brasileiro até o desfecho da rodada: agora com 16 pontos em sete jogos, à frente do Atlético-PR (15), que entrará em campo neste domingo (14).
"Fico feliz por ter acertado o chute. Foi um pouco de competência, um pouco de sorte (risos). Felizmente, acertei o chute e pude ajudar a equipe", afirmou o meio-campista. Na primeira investida dos paulistas, na Arena Condá, neste sábado (13), o defensor ajeitou para a perna direita na intermediária, soltou a bomba e acertou no ângulo. Sem chances para o goleiro Danilo, que nada pôde fazer para evitar a pintura do são-paulino.
O tento de Souza derrubou a invencibilidade dos catarinenses como mandantes, na edição deste dano da competição nacional, e de quebra registrou a primeira vitória do São Paulo como visitante no torneio. Até aqui, os paulistas acumulavam um empate (Internacional, 0 x 0) e uma derrota (Ponte Preta, 1 x 0). Por isso, o camisa 5 valorizou ainda o resultado positivo longe do Morumbi.
9134.jpg

"Fora de casa, a gente não vinha apresentando um bom futebol. Contra o Inter, tivemos volume de jogo melhor até, mas hoje conseguimos vencer finalmente. O importante foi a postura da equipe, todo mundo lutou demais. É importante vencer como visitante no Brasileiro, porque precisamos somar pontos sempre para seguir entre os líderes", opinou o volante.
Embalado pelo triunfo em Santa Catarina, o São Paulo atuará novamente no próximo final de semana. No domingo (21), diante de sua torcida, o Tricolor receberá o Avaí, às 16h (de Brasília). Até lá, Osorio terá mais tempo para seguir colocando em prática a sua filosofia e, assim, deixar o time ainda mais firme em busca do heptacampeonato nacional.


SITE OFICIAL

Com São Paulo na liderança, Osorio diz que mérito é todo dos jogadores

Após conquistar sua segunda vitória consecutiva, técnico colombiano elogia produção da equipe e diz que, daqui para a frente, a chance de crescimento é muito grande



Um belo gol marcado no início da partida e uma atuação segura para controlar a partida e sair de campo com a vitória e a liderança do Campeonato Brasileiro. Foi dessa maneira que o técnico do São Paulo, Juan Carlos Osorio, analisou o triunfo de 1 a 0 sobre a Chapecoense, na Arena Condá. Para ele, o time fez por merecer o resultado.
– Eu dirigi muitos jogos e, pela primeira vez em minha carreira profissional, perdi quatro jogadores (Ganso, Denilson, Centurión e Rodrigo Caio) que não puderam viajar por diferentes razões na última hora. Mesmo assim, Acredito que controlamos o jogo. Jogar contra a Chapecoense é muito difícil, pois eles têm dois laterais que vão muito bem ao ataque. O resultado é muito importante para nossa confiança. Vamos seguir trabalhando. O importante é que coletivamente vamos muito bem – comemorou o colombiano.
Apesar dos elogios feitos pelos jogadores ao seu trabalho, Osorio diz que o mérito pelo bom momento do São Paulo na temporada é totalmente dos atletas. 
– O trabalho é feito em conjunto, mas o importante é a contribuição que os atletas estão dando. Sem isso, seria impossível ganhar. O jogador brasileiro é muito aberto a novas ideias e treinamentos. A partir disso, temos todas as condições de ser uma equipe muito difícil de vencer.
Osorio São Paulo (Foto: Laion Espíndula)

Com a vitória, o São Paulo chegou a 16 pontos, um a mais que o Atlético-PR que, neste domingo, enfrentará o Grêmio. Se os paranaenses não ganharem, o Tricolor seguirá na liderança. Osorio terá a semana inteira de trabalho para preparar o time que voltará a campo no próximo domingo, dia 21, para enfrentar o Avaí, no estádio do Morumbi.
O técnico não poderá contar com Luis Fabiano, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e corre o risco de ficar sem Reinaldo e Carlinhos, que saíram no meio da partida contra a Chapecoense com dores na coxa. Outro que preocupa é Paulo Henrique Ganso, que foi vetado para o duelo disputado em Santa Catarina com dores na coxa direita.

GLOBO ESPORTE

Luis Fabiano leva terceiro amarelo em sete jogos e não enfrenta o Avaí

Além do atacante, técnico Juan Carlos Osorio corre o risco de ficar sem os laterais Reinaldo e Carlinhos, que deixaram o jogo contra a Chapecoense com dores na coxa

O São Paulo ganhou um desfalque importante para a partida do próximo domingo, contra o Avaí, no estádio do Morumbi, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O atacante Luis Fabiano, que ganhou sua segunda oportunidade seguida como titular no confronto diante da Chapecoense, levou o terceiro cartão amarelo na Arena Condá e terá de cumprir suspensão.

Luis Fabiano São Paulo (Foto: Márcio Cunha/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)
O camisa 9 foi advertido no primeiro tempo pelo juiz Wilton de Souza Sampaio por cometer uma falta em Bruno Silva. Foi a terceira advertência do atleta em sete partidas disputadas. As outras duas foram tomadas contra Ponte Preta, pela segunda rodada, e Grêmio, pela sexta. Ambas por reclamação.
A suspensão chega num momento ruim para o camisa 9, que estava em baixa com Milton Cruz e ganhou motivação com a chegada de Juan Carlos Osorio. Nos treinamentos diários no CT da Barra Funda, é nítida a mudança de postura do jogador, que tem contrato com a equipe do Morumbi até o dia 31 de dezembro.
Além de Luis Fabiano, o treinador colombiano ganhou problemas na lateral-esquerda, já que Reinaldo e Carlinhos saíram machucados do jogo realizado em Chapecó. Ambos sentiram a coxa e serão examinados pelo departamento médico na terça-feira, quando o grupo se reapresenta no centro de treinamento.

GLOBO ESPORTE

São-paulinos elogiam postura do time e comemoram liderança do Brasileiro

Para Rogério Ceni, time soube se superar após perder jogadores importantes na véspera da partida. Já Wesley ressaltou a entrega de todo o grupo na Arena Condá


Uma vitória muito comemorada, principalmente pelo excesso de desfalques e pelo fato da Chapecoense, até este sábado, ter vencido as três partidas que havia disputado em casa. Com o triunfo por 1 a 0, o São Paulo assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro pelo menos até este domingo, quando o Atlético-PR, que vem logo atrás, enfrentará o Grêmio.
Para o goleiro Rogério Ceni, o espírito de luta mostrado dentro de campo do começo ao fim fez toda a diferença. Ganso, com dores no músculo autor da coxa direita, e Denilson e Centurión, com problemas particulares, foram desfalques de última hora.

Rogério Ceni São Paulo (Foto: Site oficial SPFC)– O comportamento do time foi muito bom, muito aguerrido. Tínhamos treinado a semana inteira com outros três jogadores que sairiam como titulares e perdemos de última hora, junto com o Rodrigo Caio, que foi negociado (com o Valencia, da Espanha). Acho muito legal que os que entraram se doaram ao máximo, isso mostra a força de um grupo. Tudo isso tem sido possível pela importância que o nosso treinador dá para a parte motivacional – afirmou o capitão são-paulino.
O volante Wesley seguiu pela mesma linha de raciocínio.
– Jogar aqui em Chapecó é complicado, a pressão é forte, mas a equipe soube se comportar bem. Todo mundo se doou ao máximo. Os três pontos são muito importantes, até porque não é todo mundo que vai vencer aqui. Não foi o melhor dia na parte técnica mas, em aplicação, todo mundo está de parabéns – ressaltou.
Para o volante Souza, autor do belo gol que garantiu a vitória, o resultado conquistado mostra a evolução do time fora de casa.
– A equipe já havia feito uma boa partida diante do Internacional, em Porto Alegre. A liderança é importante, mas o que precisa ser destacado é a postura do time, todo mundo lutou demais – analisou.
O São Paulo agora terá a semana inteira para se preparar para sua próxima partida no Nacional. O próximo rival será o Avaí, no domingo, no estádio do Morumbi.

GLOBO ESPORTE


Com golaço de Souza, Tricolor vence em Chapecó e assume a liderança

Volante solta bomba de longe para garantir 1 a 0 sobre a Chapecoense e colocar o São Paulo na ponta do Brasileirão. Equipe da casa perde 100% na Arena Condá


O técnico Juan Carlos Osorio chegou ao São Paulo com a fama de entusiasta do futebol bonito. Porém, o segundo jogo dele no comando do time, neste sábado, teve pouca coisa bonita. Mas só uma delas já foi o suficiente: o golaço do volante Souza, de fora da área, que garantiu a vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, na Arena Condá. Mais do que isso, colocou a equipe na liderança do Brasileirão, com 16 pontos.

Foi com a bomba no ângulo do camisa 5 que o Tricolor chegou aos cinco jogos de invencibilidade no Brasileirão, sendo três vitórias seguidas. Agora, torcerá contra o Atlético-PR, que pega o Grêmio, neste domingo, para seguir no primeiro lugar. Já a Chape, que tinha 100% de aproveitamento em casa, fica com nove pontos, na nona posição.
Na próxima rodada, o Chapecoense encara o Cruzeiro, domingo, às 11h, no Mineirão. O São Paulo recebe o Avaí, também no domingo, às 16h, no Morumbi.
Souza Michel Bastos São Paulo (Foto: Márcio Cunha/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)
O jogo

Se Osorio ainda não conhece totalmente o elenco do São Paulo, bastaram cinco minutos em Chapecó para o volante Souza fazer sua melhor apresentação possível até agora para o comandante: ele recebeu um pouco à frente do meio de campo, carregou e soltou a bomba. A bola entrou no ângulo, sem chances para Danilo. Com certeza o chefe aprovou.

O problema foi que, a partir daí, o Tricolor parou. E viu a Chapecoense se lançar ao ataque, em busca do empate, sobretudo com avanços pelas laterais. Porém, mesmo mais incisivo, o time da casa esbarrou na falta de qualidade técnica e pouco criou. A etapa inicial foi muito ruim. O caderninho de Osorio deve ter recebidos muitas anotações.
O segundo tempo não foi muito diferente do primeiro. Os donos da casa tentaram a todo custo pressionar em busca do empate, mas pouco conseguiram criar. A grande chance foi aos 20 minutos, em toque de Edmilson, que Bruno salvou em cima da linha. De resto, muitos erros de passes e cruzamentos.
Por outro lado, o Tricolor foi pragmático. Soube se segurar e não correr grandes riscos. Se o ataque pouco criou, o setor defensivo segurou muito bem os avanços do adversário. A atuação não foi das melhores, mas o suficiente para garantir a vitória e a liderança do Brasileirão, ao menos até este domingo.

GLOBO ESPORTE

domingo, 7 de junho de 2015

Anota aí, Osorio! Na estreia do técnico, São Paulo vence o recuado Grêmio

Com gols de Luis Fabiano e Rogério Ceni, Tricolor paulista supera o gaúcho em casa e fica bem na tabela. Roger Machado tem primeiro derrota no comando gremista

Pegue dois papéis em branco. Separe também uma caneta vermelha e outra azul. Agora, usando a vermelha, anote algo importante: o São Paulo jogou muito bem. No outro papel, de azul, anote uma observação: o Tricolor paulista está no G-4 do Brasileirão. Na estreia do técnico Juan Carlos Osorio, aquele das anotações à beira do gramado, a equipe do Morumbi venceu o Grêmio neste sábado, por 2 a 0 (gols de Luis Fabiano e Ceni, pela sexta rodada, e avançou na tabela. Recuado e pressionado pelo adversário, o time gaúcho sofreu a primeira derrota com Roger Machado.
Bem diferente daquele Grêmio que pressionou e venceu o Corinthians no meio de semana, o Tricolor gaúcho foi dominado pelos donos da casa e deu muito pouco trabalho. Agora com oito pontos em seis jogos, o time aparece na zona intermediária da tabela. Com 13, o São Paulo está entre os primeiros colocados, a três pontos do líder Atlético-PR.


A partida desta noite marcou homenagem a Rogério Ceni pelo gol número 128 da carreira, feito no clássico com o Santos. E agora ele já tem 129, tornando-se, de maneira isolado, o décimo maior artilheiro da história do clube. Pelo lado do Grêmio, Roger Machado chega a três jogos no comando: uma vitória (Corinthians), um empate (Goiás) e uma derrota (São Paulo).
Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo volta a jogar fora de casa. Enfrenta a Chapecoense, sábado, às 16h30, na Arena Condá, em Chapecó. No domingo, às 16h, o Grêmio recebe o Atlético-PR em sua arena, em Porto Alegre.

São Paulo x Grêmio (Foto: Marcos Ribolli)
O jogo
Ataque contra defesa. O primeiro tempo de São Paulo e Grêmio foi basicamente assim. Melhor em campo e com maior posse de bola, o time do Morumbi dominou as ações do jogo, enquanto a equipe gaúcha se defendeu como pode, jogou mais recuada e arriscou nos contra-ataques. Pelo São Paulo, Michel Bastos foi o maestro: driblou, armou, desarmou, chutou...
O gol são-paulino na primeira etapa, no entanto, não teve sua participação. Aos 26 minutos, após lançamento de Wesley, Rodrigo Caio desviou de cabeça, e Luis Fabiano, oportunista, completou. O Grêmio teve excelente chance de empatar logo em seguida, quando Giuliano deixou Pedro Rocha na cara do gol. Ele bateu na saída de Ceni, mas a bola, caprichosamente, foi pra fora.
São Paulo x Grêmio (Foto: Marcos Ribolli)

Na etapa final, o jogo não mudou muito. O São Paulo continuou melhor, e o Grêmio apostou mais uma vez no erro do adversário para tentar o contra-ataque. Mas o Tricolor paulista levou a melhor e ampliou o placar aos 10 minutos, com Rogério Ceni, de pênalti. O árbitro Péricles Bassols viu mão de Marcelo Oliveira após cruzamento de Wesley. Os gremistas contestaram a marcação.
Sem força para reagir, o Grêmio tentou ao menos evitar uma derrota maior. E conseguiu segurar o ímpeto são-paulino. Juan Carlos Osorio fez inúmeras anotações durante a partida. Mas deve ter gostado da entrega do time. Roger Machado não foi visto anotando nada, mas deve ter pensado que gostaria de ter visto em campo algo parecido com o Grêmio do meio de semana.


Globo ESPORTE

quinta-feira, 4 de junho de 2015

São Paulo bate o Santos no Morumbi em clássico recheado de emoção

Com gols de Michel Bastos, Paulo Miranda e Rogério Ceni, Tricolor vence por 3 a 2. Goleiros falharam, teve polêmica com o árbitro, pênaltis para os dois lados...



Cinco gols, dois pênaltis, polêmicas, expulsão, falhas de goleiros...São Paulo e Santos fizeram um clássico interessante nesta quarta-feira, no Morumbi, pela quinta rodada do Brasileirão. Levou a melhor o Tricolor, que com gols de Michel Bastos, Paulo Miranda e Rogério Ceni venceu por 3 a 2 – Ricardo Oliveira fez os dois do Peixe. O novo técnico do Tricolor, Juan Carlos Osorio, deve ter gostado do que viu. Ele assistiu ao jogo do camarote por ainda não ter visto de trabalho.
Com essa vitória, o São Paulo chegou a 10 pontos em cinco jogos e continua brigando pelas primeiras colocações do campeonato. O Santos, com cinco, segue em zona intermediária.
Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo joga novamente no Morumbi. Dessa vez pega o Grêmio, às 22h de sábado. No mesmo dia, só que às 18h30, o Santos recebe a Ponte Preta na Vila Belmiro. Os dois jogos são válidos pela sexta rodada da competição.
São Paulo x Santos Rogério Ceni (Foto: Marcos Ribolli)
O jogo
Logo no primeiro lance de ataque do São Paulo, Paulo Miranda trombou com o goleiro Vladimir. O santista levou a pior, chegou a quase vomitar em campo, mas seguiu no jogo – foi substituído apenas no intervalo, por Vanderlei. Melhor em campo, o Tricolor teve inúmeras chances na etapa inicial. Faltou, porém, capricho no arremate final.
São Paulo x Santos Comemoração (Foto: Marcos Ribolli)
O primeiro gol do São Paulo, depois de tentativas com Dória e Alexandre Pato, saiu dos pés do meia Michel Bastos. Aos 33 minutos, ele bateu falta de longa distância e contou com ajuda do goleiro Vladimir, que falhou no lance: 1 a 0. Mesmo com o domínio do jogo, o Tricolor deixou o Santos empatar. Ricardo Oliveira, aos 45, viu Ceni defender seu pênalti, mas igualou no rebote.
No final do primeiro tempo, o árbitro Thiago Duarte Peixoto deu cartão amarelo para o goleiro reserva do São Paulo, Renan Ribeiro, e em seguida para Rogério Ceni. Ambos por reclamação. Na saída para o intervalo, o capitão do Tricolor disparou contra o juiz, que na volta para a etapa final não quis entrar em confronto com o jogador.
Ceni continuou em evidência no começo do segundo tempo, assim como Ricardo Oliveira. Após lançamento de Lucas Lima, o atacante chutou cruzado, e o goleiro tricolor falhou. Era a virada do Peixe no Morumbi. Só que o São Paulo conseguiu reagir rapidamente. Aos 4 minutos, Thiago Mendes bateu escanteio para área, e Paulo Miranda, de cabeça, empatou.
Nenhum dos dois times se acomodou com o empate. São Paulo e Santos tentaram, cada um à sua maneira, chegar à vitória. Mas o Tricolor levou a melhor. Aos 39 minutos, de pênalti, Rogério Ceni virou a partida para os donos da casa. O goleiro chegou a 128 gols com a camisa tricolor, igualou Raí e se tornou o 10º maior artilheiro da história do Tricolor. 
O Peixe ainda tentou correr atrás de uma reação, mas Marquinhos Gabriel foi expulso e as coisas ficaram mais difíceis com um a menos. Melhor em campo na soma dos dois tempos, o São Paulo mereceu a vitória.

GLOBO ESPORTE

domingo, 31 de maio de 2015

Como fez em 2005 com Gerrard, Ceni voa no ângulo e evita gol de Alex

Veterano faz grande partida no Beira-Rio. Aos 42 anos, goleiro segue em grande fase e, nesta semana, deve anunciar a extensão do seu contrato até dezembro


Uma defesa que fez o torcedor são-paulino viajar no tempo e voltar a um dos dias mais importantes da história do clube. Aos 47 minutos do segundo tempo da partida contra o Internacional, neste domingo, Rogério Ceni voou para defender uma falta cobrada por Alex, que foi no seu ângulo esquerdo do goleiro.
Foi com a mesma mão esquerda que o ídolo há quase dez anos voou para evitar um gol de Steven Gerard, na decisão do Mundial de Clubes da Fifa de 2005. Naquele 18 de dezembro, o Tricolor venceu o time inglês por 1 a 0 e garantiu seu terceiro título mundial, e o defensor brilhou com grandes intervenções.
Aos 42 anos, pode-se dizer que Ceni vive grande fase. Como o time ainda sofre para acabar com a irregularidade, não são poucos os jogos em que ele acaba como destaque. Contra o Cruzeiro, pela Libertadores, ele fez o que pode na decisão por pênaltis e pegou duas cobranças. Contra a Ponte, pelo Brasileiro, ele brilhou com grandes defesas e impediu uma goleada. E, diante do Inter, além de brilhar na falta de Alex, salvou gol certo em cabeçada de Lisandro López.
Rogério Ceni Internacional (Foto: Rubens Chiri - SPFC)
Cada vez mais idolatrado, o bom futebol mostrado fez a diretoria o procurar recentemente para discutir uma prorrogação de contrato. O vínculo atual termina em agosto, mas são boas as chances dele ser esticado até o dia 31 de dezembro. O camisa 1 só aguarda a chegada do técnico Juan Carlos Osorio e uma nova conversa com o presidente Carlos Miguel para bater o martelo.
– Devemos decidir nos próximos dias. Temos a chegada do nosso treinador amanhã, o Osorio. Depende muito do presidente. Tivemos uma conversa informal apenas. No decorrer da semana devemos ter alguma novidade – afirmou o jogador.
Apesar de toda a euforia que ainda causa no torcedor, o defensor garantiu: não existe a menor possibilidade de um novo contrato em 2016, mesmo que o São Paulo garanta uma vaga na Taça Libertadores do ano que vem. 
– Eu vou parar aos 42 anos. Não chego aos 43, com certeza – finalizou Ceni, que fará aniversário em janeiro do ano que vem.

GLOBO ESPORTE