domingo, 29 de março de 2015

Animado, Muricy diz estar pronto para lutar pelo Tricolor: "Morro atirando"

Treinador confirma que time terá alterações na partida desta quarta-feira, contra o San Lorenzo, pela Libertadores. Ganso é o mais ameaçado de perder a posição

Muricy Ramalho, São Paulo x Linense, Campeonato Paulista (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)


A semana não foi fácil para o técnico Muricy Ramalho no São Paulo. A derrota por 3 a 0 para o Palmeiras fez o treinador entregar o cargo, o que não foi aceito pelo vice-presidente de futebol, Ataíde Gil Guerreiro. Neste domingo, o treinador mostrou uma postura bem mais animada e garantiu estar pronto para lutar com todas as armas que tem para fazer o time reagir na temporada. Nem mesmo uma derrota na quarta-feira, diante do San Lorenzo, em jogo importante pela Libertadores, fará o treinador mudar de postura.

– Eu vou brigar até o fim, vou morrer atirando. Vou lutar para caramba. Já que resolvi aceitar o pedido (de não deixar a equipe), vou lutar. É um momento difícil do clube, tem muito torcedor que encontro na rua e fala para não desistir. Eu vou ficar até acharem que não devo ficar. Ou até eu achar, já estou numa idade que posso decidir sobre isso – afirmou o técnico, após a vitória sobre o Linense, por 3 a 0, pelo Campeonato Paulista, no Morumbi.

SAIBA MAIS

Veja a classificação do Campeonato Paulista

Confira a partida lance a lance no Morumbi

Torcida ironiza Muricy em protesto

Muricy confirmou que o time terá mudanças para a partida de meio de semana. Paulo Henrique Ganso é o mais ameaçado de perder uma posição entre os titulares. Já Alan Kardec, que marcou duas vezes na partida deste domingo, pode ganhar uma oportunidade.

– Acho que o time se encaixa bem no esquema com duas linhas de quatro. Mexer radicalmente para o jogo de quarta é complicado, não há tempo. Mas é hora de mudança nas peças, é preciso reconhecer que, até agora, o que tentamos não funcionou – ressaltou.

Veja abaixo tudo que o treinador falou:

ENCONTROU RESPOSTAS?

– Jogo de hoje foi importante para os garotos, mas não serve de parâmetro porque o nível é outro na Libertadores. É bom para observar jogadores.

PROTESTO DA TORCIDA

– Protesto natural, o time não está jogando bem, não ganha clássicos. Se analisar os números, estamos bem nos dois torneios, mas não estamos mostrando um bom futebol.

JOGO DE QUARTA

– Em relação ao jogo de quarta, teremos dificuldades. Não é um jogo decisivo para nós, mas uma vitória nos deixa bem perto da classificação. Com respeito ao rival, vamos tentar ganhar lá.

CONFIANÇA NOS DIRIGENTES

– A cultura no Brasil é bem diferente em relação ao resto do mundo. Aqui estamos acostumados ao que acontece. É difícil ter uma solução. O técnico brasileiro está sempre pressionado. É muito difícil. No momento da derrota, você mostra o que é, precisa mostrar uma atitude mais forte. Já tive muita gente firme do meu lado, é por isso que fico muito tempo nos clubes. Isso é importante principalmente nas derrotas porque nas vitórias todo mundo quer dar tapinha nas suas costas. Futebol é coletivo, depende de muita gente para as coisas darem certo.

ÉTICA ENTRE OS TÉCNICOS

– Não existe isso. Existe muita gente boa e muita gente ruim. Nesse ano fui participar de um congresso com o Leão para falar sobre ética. É difícil, mas existe. Por isso, que quando saí daqui, nunca me manifestei, nunca fui ver um jogo do São Paulo. Dirigente precisa saber escolher o treinador pelo trabalho que ele faz. No meu caso, não sou muito preocupado com essas coisas. Se eu sentir que não estou legal no lugar, eu saio, que foi como fiz com o seu Juvenal em 2009. É o único clube que nunca faço contrato com multas. Até por isso, deixei tudo bem à vontade na quarta-feira. Nosso meio é complicado.

POSSÍVEIS MUDANÇAS

– Acho que o time se encontrou bem com duas linhas de quatro. Temos de respeitar bem as características do time. A gente só se recuperou no Brasileiro jogando dessa maneira. Quase não mudamos. Entrou só o Michel no lugar do Kaká. Às vezes não encaixa. Temos de mudar, seja o esquema, seja jogador, porque não está funcionando. Não serão mudanças radicais.

ATUAÇÃO DE KARDEC

– A gente sempre dá oportunidade ao Kardec. Já estava definido que o Pato jogaria o primeiro tempo e ele o segundo. Nunca podemos largar o Kardec porque ele marca gols, mesmo se sacrificando muito para o time. Boschilia está ganhando espaço no time, tem dinâmica de jogo, bate bem na bola. Jogos como os de hoje são importantes para isso para analisar jogadores. No computador você não perde. Quando entra o adversário, complica.

O QUE FALTA?

– A gente tem um problema de profundidade, falta rapidez na transição da defesa para o meio-campo. Por isso, insisto muito que um dos volantes e os meias precisam entrar na área. No primeiro tempo, não fizemos isso. Falei no intervalo que se isso não mudasse, não faríamos gols. O Thiago começou a entrar, cresceu. Jogos como esse sempre te dão a chance de fazer observações.

TIME NA QUARTA

– Ainda estou estudando qual a melhor maneira de atuar e todos tem oportunidade. Nosso pensamento é de mudança, o time não está dando resultado e precisa vir algo.

COMPORTAMENTO NO BANCO

– Quando você vai ficando mais velho, é preciso controlar porque aqui não é fácil. Tem hora que você precisa pegar um pouco mais pesado. Na quarta-feira, vou ter de intervir mais um pouco. É mais para desabafar mesmo. No estádio cheio, quem sofre é só o lateral ou ponta que joga pelo seu setor. Não falo para ofender ninguém.

POSSÍVEL DERROTA QUARTA

– Eu vou brigar até o fim, vou morrer atirando. Vou lutar para caramba. Já que resolvi aceitar o pedido, vou lutar. É um momento difícil do clube, tem muito torcedor que você encontra na rua e fala para ficar, para trabalhar que as coisas vão melhorar. Vou ficar até eles acharem ou eu achar que não dá mais”.

PATO E KARDEC JUNTOS?

– É possível. Os dois combinam. Um é segundo atacante. Uma possibilidade seria usar apenas um atacante. Mas deixar só o Pato faria o time ficar sem profundidade. O Kardec é artilheiro, peço para ele sempre entrar na área. Se a gente for lá só para se defender, não aguenta pressão. Uma vitória vai nos deixar perto da classificação, vamos arriscar lá.

QUARTA É DECISÃO

– Sim, se ganharmos ficaremos perto da classificação. Se perdemos, ainda teremos chances. Mas é quarta que vale, é quarta que temos de buscar.

DEMISSÃO SE NÃO GANHAR A LIBERTADORES

– Não sei, na hora a gente vê. Antigamente ficava preocupado, hoje posso pensar lá na frente (risos).



Globo Esporte

Capitão, Rogério diz que decisão de manter Muricy no comando foi correta

Goleiro mostra irritação ao falar sobre a falha no clássico contra o Palmeiras e elogia a produção da equipe no segundo tempo da partida contra o Linense, no Morumbi

Na coletiva de quinta-feira, o próprio vice-presidente de futebol do São Paulo, Ataíde Gil Guerreiro, afirmou: o goleiro e capitão Rogério Ceni foi um dos principais responsáveis pela permanência do técnico Muricy Ramalho no comando do São Paulo. Na quarta-feira, ele participou da reunião com o treinador, Ataíde e o gerente de futebol, Gustavo Vieira de Oliveira .  Na saída do gramado do Morumbi, após o jogo contra o Linense, ele comentou o episódio e deixou claro que concordava com a decisão tomada.
São Paulo x Linense, Campeonato Paulista (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

– Qualquer troca em cima de um jogo importante, como teremos, é muito complicada. Fui na reunião como capitão, solicitaram a minha presença. A diretoria julgou que o Muricy é capaz de arrumar as coisas, enquanto o Muricy se sente competente para continuar – afirmou o goleiro.
Num intervalo de quatro dias, Ceni foi das críticas por ter falhado no gol marcado por Robinho, do Palmeiras, aos elogios por ter feito um dos gols da vitória por 3 a 0 sobre o Linense. O camisa 1, quando questionado sobre o assunto, demonstrou irritação.
– Não sei a razão de vocês falarem tanto. No primeiro lance, houve um recuo, a bola quicou no gramado e bati de tornozelo. No segundo lance, sim, houve uma falha, a bola estava muito alta e achei que ela bateria na rede por cima do gol – explicou.
Sobre a partida deste domingo, o goleiro elogiou a produção da equipe no segundo tempo.
– O segundo tempo foi legal, o primeiro foi muito ruim, não conseguimos penetrar. A entrada do Kardec ajudou, o time melhorou com uma referência. O Kardec cavou a falta e o gol de falta saiu. Depois, o time se soltou mais na partida e conseguiu entrar mais na defesa do Linense

Globo Esporte

Muricy aponta que vai barrar Ganso contra o San Lorenzo

O técnico Muricy Ramalho falou em entrevista coletiva após a vitória por 3 a 0 sobre o Linense, neste domingo, e apontou que vai barrar o meia Paulo Henrique Ganso do jogo contra o San Lorenzo, quarta-feira, na Argentina, pela Copa Libertadores.
"Ainda estou estudando qual a melhor maneira de atuar, e todos têm oportunidade. Nosso pensamento é de mudança, o time não está dando resultado e precisa vir algo", falou o treinador, questionado especificamente sobre Ganso. 
O técnico afirmou que a possibilidade é escalar Alexandre Pato e Alan Kardec juntos no setor ofensivo.

"Possível. Os dois combinam. Um é segundo atacante. Uma possibilidade seria usar apenas um atacante. Mas deixar só o Pato faria o time ficar sem profundidade. O Kardec é artilheiro, peço para ele sempre entrar na área. Se a gente for lá só para se defender, não aguenta pressão. Uma vitória vai nos deixar perto da classificação, vamos arriscar lá", flaou.
Muricy disse que "vai morrer atirando", e que agora vai até o fim com o São Paulo.
"Eu vou brigar até o fim, vou morrer atirando. Vou lutar para caramba. Já que resolvi aceitar o pedido, vou lutar. É um momento difícil do clube, tem muito torcedor que você encontra na rua e fala para ficar, para trabalhar que as coisas vão melhorar", afirmou.

Uol Esporte

Ceni faz de falta, Kardec brilha, e São Paulo vence sob protesto

O domingo foi de protesto no Morumbi. A principal torcida organizada do clube promoveu uma manifestação pacífica e incomum: vestiu coletes e chuteiras, e levou bolas e cones aos arredores do Morumbi. Simulou um treino do São Paulo, com imitação do técnico Muricy Ramalho, rodeado por faixas que criticavam o comando técnico e a diretoria de futebol. Reflexos de uma crise que quase motivou uma troca de treinador na última quinta. Em campo, contra o Linense, porém, alívio: vitória por 3 a 0, com belo gol de falta do goleiro Rogério Ceni e dois de Alan Kardec – o atacante decidiu o jogo.

O jogo

Muricy Ramalho fez aquilo que queria, aproveitando os oito desfalques que teve para o jogo: armou um São Paulo mais leve, sem centroavante: Ewandro, Bosquilia, Centurión e Alexandre Pato formaram o setor ofensivo.

Não deu certo.

O time que deveria se movimentar mais, não se movimentou. Pouco criou, não encontrou espaços. O lance de maior perigo do São Paulo enganou torcedores que estavam no estádio, aqueles que assistiam ao jogo pela televisão, narradores e até o operador do placar do Morumbi: Gabriel Boschilia cobrou falta pela esquerda, Paulo Miranda subiu para cabecear e mandou a bola rente à trave direita do goleiro adversário. Para torcida e narradores, gol do São Paulo – o placar do Morumbi também anunciou: 1 a 0. Mas não, a bola passou por fora e tocou na rede lateral.

No segundo tempo, Muricy Ramalho mudou aquilo que não funcionou. Tirou Pato, colocou Alan Kardec, deu ao time o centroavante que faltava, e então a equipe passou a jogar mais futebol. Com uma referência ofensiva, tudo funcionou melhor.


Kardec foi aquele que sofreu a falta que originaria o gol: Derrubado na entrada da área, deu ao capitão Rogério Ceni a oportunidade de se redimir pelo gol sofrido no clássico contra o Palmeiras, de Robinho. E Ceni se redimiu com maestria: bola que passou pelo lado da barreira e morreu no ângulo. Golaço, de falta, para abrir o placar.

Alan Kardec ainda faria a diferença novamente em outro ataque são-paulino. Thiago Mendes fez boa jogada pela lateral, chamou a marcação e tocou para Kardec, sozinho, no meio da área marcar. Finalização precisa, no canto do gol, tirando do goleiro. O jogo que poderia oferecer perigo, ficou tranquilo.

O São Paulo ainda marcaria o terceiro gol, novamente com Alan Kardec, após jogada pela esquerda. O atacante aproveitou cruzamento e fez um gol de peito.

O melhor – Alan Kardec: centroavante entrou no intervalo e arrumou todos os problemas do São Paulo. Fez com que o ataque funcionasse, os pontas achassem espaços e o meia tivesse opções para passe. Sofreu a falta que originou o gol de Rogério Ceni e ainda marcou o segundo e o terceiro gol do jogo.

O pior – Igor: lateral esquerdo do Linense deixou Thiago Mendes fazer a jogada do segundo gol são-paulino e, logo depois, ainda foi expulso.



FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 3 X 0 LINENSE
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 29 de março de 2015, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Leandro Matos Feitosa (ambos de SP)
Gols: Rogério Ceni e Alan Kardec (2) (São Paulo)
Cartões amarelos: Edson Silva (São Paulo) / Memo e William Pottker (Linense)
Cartões vermelhos: Igor (Linense)
SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Paulo Miranda, Edson Silva e Carlinhos; Hudson e Thiago Mendes; Ewandro, Boschilia e Centurión (Cafu); Alexandre Pato (Alan Kardec)
Técnico: Muricy Ramalho
LINENSE: Anderson; Eric, Álvaro, Adalberto e Igor; Memo (Birungueta), Moisés Ribeiro e Gilsinho (Clebson); William Pottker, Nando e Diego (Serginho)
Técnico: Narciso

Uol Esporte

quarta-feira, 25 de março de 2015

Dia de Clássico.

Fala Nação Tricolor,
Hoje é dia de SÃO PAULO, dia de Palmeiras x SÃO PAULO, dia de Choque Rei, dia de clássico no Campeonato Paulista.
O Tricolor vai até o estádio adversário encarar o "novo" time do Palmeiras, que na minha opinião ainda não faz frente para os outros três grandes Clubes de São Paulo. Mas é um time que está crescendo, que no Brasileiro pode enroscar pra muitos lados.
O São Paulo por sua vez, tem que ir até a casa adversaria e fazer seu papel, jogar para frente, na velocidade, e furar a possível retranca verde.
O Tricolor tem todo o favoritismo, mas como todos dizem clássico é clássico, e se resolverá em 90 minutos. Tem melhor time, ta com os problemas internos resolvidos, e está jogando melhor a cada partida, só resta entrar com vontade e gana para vencer.

Foto Junior Lago /UOL

Vamos ao jogo:
Campeonato Paulista - 12ª rodada
Jogo: Palmeiras x SÃO PAULO
Estádio: Alianz Parque (Parque Antártica)
Arbitro: Vinicius Furlan
Bandeiras: Alex Ang Ribeiro e João Edílson de Andrade

Como mencionei acima, o Tricolor tem tudo para somar mais três pontos, tem um elenco mais forte e preparado, porém todo cuidado é pouco, eles tem jogadores rápidos, que terão que ser acompanhados de perto o jogo inteiro, as decidas pelas laterais terão que ser bem marcadas.
De volta, Alexandre Pato terá a responsabilidade do ataque, com Luis Fabiano ao seu lado, o ataque vai com força total.
Uma questão que seria legal falar aqui, é que provavelmente a Torcida Independente não irá para o jogo, por protesto contra os altos preços cobrados pela diretoria Verde, os ingressos estão na faixa de 200 reais, isso mesmo amigos R$200,00, valor altíssimo para torcedores que sempre vão aos estádios.
Essa talvez será a desvantagem Tricolor, de resto, sou mais SÃO PAULO!

O provável time será:

Rogério Ceni; Bruno, Rafael Tolói, Lucão e Carlinhos; Denílson, Hudson, Ganso e Michel Bastos; Luis Fabiano e Alexandre Pato.

E SEMPRE LEMBRANDO, NÓS SOMOS O SÃO PAULO.

Abraços Tricolores.




segunda-feira, 23 de março de 2015

Muricy aprova garotos na etapa inicial: "No segundo não gostei de ninguém"

Técnico elogia atuação do time no primeiro tempo da vitória por 3 a 0 sobre o Marília e cita importância de observar atletas como Auro, Boschilia, Ewandro e Rodrigo Caio


O mistão do São Paulo comandado pelos garotos da base bateu o Marília com facilidade neste domingo, por 3 a 0, no Morumbi. Alan Kardec, duas vezes, e Ewandro fizeram os gols do jogo, que teve também ótima atuação de Boschilia. Após a partida, o técnico Muricy Ramalho aprovou a oportunidade de observar os garotos da base – Auro e Rodrigo Caio também foram titulares. Mas o treinador não gostou da atuação do time no segundo tempo.
– No primeiro tempo eu gostei de todo mundo. No segundo eu não gostei de ninguém (risos). Até que foi legal o primeiro, mas o segundo foi muito ruim – disse o treinador, que mostrou bom humor durante a entrevista.


Boschilia e Alan Kardec participaram do primeiro gol, marcado por Ewandro. No segundo, o meia deu assistência para Kardec, também servido por Ewandro no lance da terceira bola na rede.
Mesmo com a deficiência técnica do Marília, a fragilidade do adversário não foi motivo para Muricy diminuir a importância do jogo para os garotos. O teste de jogar no Morumbi em uma partida oficial do Paulistão foi ressaltado pelo treinador. Ainda assim, ele voltou a criticar o regulamento do estadual, pela limitação de 28 inscritos por time.
Muricy Ramalho São Paulo x Marília (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)
- Não é igual a um treino coletivo, porque jogar no Morumbi vai fazer parte da carreira e do aprendizado dos garotos que colocamos. Foi importante para tirar lições, principalmente pelos meninos que tiveram essa experiência. O Morumbi é muito grande e quem joga sabe que isso fica marcado para o resto da vida - declarou. 
– Também foi importante para dar rodagem a quem estava sem jogar havia mais tempo. Só lamentamos não poder usar mais garotos, porque hoje eu não tinha lateral-esquerdo e era a chance de usar alguém. Talvez o futebol brasileiro tenha perdido a oportunidade de ver algum novo jogador aparecer aqui – finalizou.
Com 26 pontos, na liderança do Grupo 1, o São Paulo agora volta a jogar na quarta-feira, às 22h, contra o rival Palmeiras. O Choque-Rei ocorrerá na arena do time alviverde.
Confira abaixo a íntegra da entrevista de Muricy Ramalho:
VITÓRIA EM JOGO FÁCIL
– Em relação ao Marília, a gente lamenta. Sei a situação que eles estão vivendo. Fui jogador e treinador em time menor e sei as dificuldades, não é fácil ficar muitos meses sem receber, pouca estrutura. Tentaram o melhor deles e nós também. 

NÍVEL DO PAULISTÃO
– Eu acho que esse ano ficou um pouco mais complicado para os pequenos, porque o investimento é sempre menor. Eles desequilibravam na pré-temporada, quando os grandes voltavam depois e só treinavam uma semana. Agora não tem mais isso. A gente teve mais tempo para se preparar, aí a melhor qualidade, o investimento pesam sobre os pequenos. Gosto de ver futebol e vejo todos os dias, mas está difícil de ver o Paulista. E eu vejo, porque sou teimoso, mas caiu demais a qualidade. Por isso vemos públicos pequenos. Está difícil.

ALAN KARDEC
– Sobre o Kardec, às vezes a gente cria espaço para ele para não tirar a confiança. É um goleador e a confiança volta quando faz gol. Peço muito para ele ficar perto da área e fazer gols. Se dedica muito sem a bola, trabalha para o time e se prejudica. Daqui a pouco volta a jogar. Pra jogar com dois enfiados com o Luis só em outro tipo de esquema, como fiz com o Corinthians e não deu certo. Toda vez que faz o esquema pensamos no jogador, mas dentro de campo não resolveu.

DIRETORIA ESTÁ COM VOCÊ ATÉ O FIM?
– O que eu acho é que no futebol brasileiro existe parceria das pessoas. Futebol é dinâmico e eu não fico triste se isso muda. Se não tem resultado o cara que morreria abraçado te deixa sozinho, porque às vezes não dá para ele ir junto. Se eu falar diferente é hipocrisia, demagogia. Eles estão sempre comigo porque é obrigação deles e eu tenho que dar resultado. Estamos no Brasil, não na Inglaterra onde o cara não ganha nada durante 10 anos e continua. Se eles assinaram o contrato é porque confiam em mim.

CRISE E AGORA PAZ
– Estava sendo pressionado e com razão, porque não estava jogando bem e sem resultado contra rivais. Não podia querer outra coisa. Na base de muito sacrifico, emocional pesado, eles se recuperaram bem e foram até o fim para bater o campeão da América. Só assim, na base do trabalho, que muda. Não pode reclamar de crítica, porque você esconde a realidade. Aceitamos e estamos tentando melhorar.

PALMEIRAS
– Todo clássico é importante. Isso é antigo no futebol. Todo clássico ajuda a fortalecer. Mesmo sem ser decisivo como o de quarta, mas é sempre importante para os dois times. Você mede as forças, ganha confiança, mostra defeitos para corrigir. Faz parte da história. Já joguei e dirigi em clássico. Existe a rivalidade, mas é só futebol.

QUATRO VITÓRIAS E MELHOR ATAQUE
– Importante ter os números a favor. Você pode mostrar para os jogadores, falar que tipo de time você é. Tem de ficar em cima disso, fortalecer o que pensamos de que todos na frente precisam participar mais. Esse time é assim: toma gol porque joga aberto. É a característica dos jogadores. Ser o time que mais faz gols é importante.

Globo Esporte

Kardec espera pressão em reencontro com Palmeiras na casa do rival

Protagonista na vitória por 3 a 0 sobre o Marília, com dois gols, centroavante poderá jogar pela terceira vez contra o ex-time, mas estreando na arena alviverde



Alan Kardec foi um dos personagens do São Paulo na vitória por 3 a 0 sobre o Marília, neste domingo, no Morumbi. Com dois gols, ele participou ativamente do resultado construído pelo time misto, também comandado por Ewandro, autor do primeiro gol, e Boschilia. Após o jogo, o centroavante foi questionado sobre como será o reencontro com o Palmeiras, seu ex-time e pelo qual diz ainda ter carinho. Na quarta-feira, o Tricolor fará o Choque-Rei contra o rival, às 22h (de Brasília), na arena alviverde.
– É uma sensação diferente, com certeza. Não tem o que dizer sobre tantos momentos bons que passei naquele lugar, ao lado dos torcedores. Agora será no estádio novo e não vai ser fácil. Talvez seja o melhor do Brasil e um dos melhores do mundo, em termos de tecnologia e gramado. Vamos ver na hora da partida como será – disse o centroavante.
Alan Kardec, São Paulo x Marília (Foto: Miguel Schincariol / Agência Estado)

Esse será o terceiro encontro de Kardec com o Palmeiras desde que deixou a Academia de Futebol, ano passado. Nas duas primeiras oportunidades, o São Paulo venceu por 2 a 1, com um gol dele, no Pacaembu, pelo Paulista, e por 2 a 0, no Morumbi, pelo Brasileirão. A diferença é que agora ele atuará pela primeira vez na nova casa do rival e espera pressão dos torcedores.
– Acredito que venha (pressão), mas estou tranquilo e sempre fui profissional. Vou fazer o melhor para defender as cores do São Paulo – finalizou.
Com as duas bolas na rede deste domingo, Kardec chegou aos cinco gols na temporada. A boa atuação pode colocar uma dúvida na cabeça do técnico Muricy Ramalho, que tem armado o time titular no 4-2-3-1, com Michel Bastos, Ganso, Centurión e Luis Fabiano – Alexandre Pato se recupera de uma torção no tornozelo direito e é dúvida.
Globo Esporte

Às vésperas de clássico, Rogério pede que vitória não "iluda" o São Paulo

Goleiro diz que triunfo sobre o Marília, pior time do Paulista, não pode gerar euforia antes de duelo contra o Palmeiras, na próxima quarta-feira, na arena alviverde


O São Paulo chegou a quarta vitória consecutiva, algo até então inédito na temporada, a última delas neste domingo, com tranquilidade, por 3 a 0 sobre o Marília. Mas o triunfo sem sustos no Morumbi, pela 11ª rodada do Paulista, não deve ser usada como parâmetro de acordo com o goleiro Rogério Ceni, um dos poucos titulares que enfrentaram o pior time do estadual – a equipe do interior tem apenas dois pontos no torneio.
A preocupação é que a sequência não gere euforia às vésperas do clássico contra o Palmeiras, na próxima quarta-feira, no estádio rival.
– Claro que o psicológico é favorável. Mas é outro tipo de jogo, outro tipo de adversário. A gente não pode se iludir, eles estarão em casa, com arquibancada cheia. Que a gente consiga um resultado bom, já que tivemos um empate com o Santos, uma derrota para o Corinthians – afirmou o camisa 1, citando os outros clássicos disputados no Paulista.
O goleiro elogiou o time, especialmente pelo primeiro tempo, quando o São Paulo conseguiu se impor rapidamente e logo abriu 2 a 0, com Ewerton e Alan Kardec, que depois, na etapa final, ampliaria o placar para  3 a 0.
Rogério Ceni São Paulo x Marilia (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)
– O primeiro tempo foi bom. Fizemos dois gols e poderíamos ter feito mais. No segundo tempo caiu bastante, não soubemos acelerar. Mas como resultado, fizemos a nossa obrigação – completou.
Contra o Palmeiras, Rogério quer ver o São Paulo com a mesma pegada com que enfrentou o San Lorenzo, na última quarta, pela Libertadores – partida dura, vencida pelo Tricolor graças a um gol nos momentos finais do duelo.
– Espero que o time tenha a mesma determinação e, pelo esboço, deve ser uma escalação parecida com aquela.
Globo Esporte

Centurión sai na frente de Kardec, mas vaga de Souza fica aberta

Muricy elogia autocrítica do argentino e o coloca em vantagem para pegar o Palmeiras na quarta-feira devido ao estilo de jogo; Hudson e Thiago Mendes brigam pela vaga do volante


Reservas do São Paulo vencem fácil o Marília no Morumbi (Fotos: Reginaldo Castro)




O São Paulo deve ter dois desfalques para o clássico desta quarta-feira contra o Palmeiras, às 22h, pela 12ª rodada do Campeonato Paulista. O volante Souza está servindo a Seleção Brasileira em amistosos na Europa e sua vaga é disputada por Hudson e Thiago Mendes. Já o atacante Alexandre Pato se recupera de entorse no tornozelo direito e até tem chances de jogar o Choque-Rei, mas vê Centurión em vantagem para assumir seu posto em relação a Alan Kardec.

- Sobre o Kardec, às vezes a gente cria espaço para ele jogar e para não tirar a confiança. É um goleador e a confiança volta quando faz gol. Peço muito para ele ficar perto da área e fazer gols. Se dedica muito sem a bola, trabalha para o time e se prejudica por isso. Mas daqui a pouco volta a jogar. Mas para jogar com dois enfiados, ele e o Luis (Fabiano), só em outro tipo de esquema, como fiz com o Corinthians e não deu certo. Pensei no estilo deles, mas no campo não resolveu - afirmou Muricy Ramalho.

E MAIS:
> Muricy aprova primeiro tempo de garotos e dispara contra a FPF
> Ceni joga com dor, é pouco exigido e lamenta segundo tempo 'morno'
> Confiante, Alan Kardec fala sobre 'sensação diferente' no Choque-Rei

Além das experiências mal sucedidas com Kardec e Fabuloso no ataque, o técnico são-paulino apontou outros motivos para que Centurión esteja à frente na briga para substituir Pato no primeiro Choque-Rei no Allianz Parque. O treinador está satisfeito com a evolução do argentino e, principalmente, com a capacidade do jovem meia para fazer autocríticas.

- fiz até um vídeo em relação aos erros dele. São erros em lugares de transição, quando seria para pensar o jogo. Só nos lances mais próximos da área ele tem toda a liberdade para fazer as loucuras que faz. E ele concordou que perde muito o "balón" e errou menos hoje (domingo, contra o Marília). Erra em lugar que não pode, com todos no ataque. Tem que saber disso e ele sabe, é consciente. Então vai ser fácil arrumar. Vamos ver o time, estudar. O Centurión a cada jogo melhora, então tem que cuidar bastante dele. São jogos seguidos e pesados - alertou.

Já no meio de campo a briga é mais aberta. Hudson fez bom jogo contra São Bento há dez dias, mas caiu de rendimento contra a Ponte Preta e perdeu a vitória contra o Marília por estar suspenso. Thiago Mendes, o outro candidato, foi mal contra o São Bento, reagiu na etapa final contra a Macaca e teve atuação destacada no primeiro tempo contra o Marília. Muricy não gostou da oscilação da dupla e mantém o mistério sobre quem herdará a vaga de Souza. Ele ainda adiantou que voltará a usar um time alternativo no próximo domingo, quando o Tricolor encara o Linense no Morumbi.

- Quarta joga quem não jogou contra o Marília e no fim de semana volta a rodar o time. É importante para ver os jogadores. Falei hoje (domingo) de novo, era oportunidade de mostrar alguma coisa... E não mostrar também, como muitos... Tiram minhas dúvidas assim. Tem que se preparar melhor, só assim chamam minha atenção. Tem essa vaga do Souza e o jogo pode ter tirado essa dúvida de mim - despistou.



LanceNet